sábado, 5 de agosto de 2017

Os primeiros passos do VAR

A FPF divulgou um vídeo onde se pode ouvir a comunicação entre a equipa de arbitragem no relvado e os seus colegas que desempenhavam a tarefa de VAR no momento em que, na apresentação do Sporting aos sócios, o golo do Monaco foi anulado por fora-de-jogo.






Obviamente que o VAR tem um longo caminho a percorrer até atingir o grau desejado de eficiência, mas estes primeiros testes realizados nos relvados portugueses demonstraram bem a importância que esta ferramenta pode ter na proteção da justiça desportiva. Não vai resolver todos os erros de arbitragem no futebol - nem de perto nem de longe -, não vai acabar com as polémicas exploradas até à exaustão nos dias seguintes e prolongamentos, mas parece cada vez mais evidente que, se bem utilizado, ajudará a diminuir significativamente o número de erros grosseiros.

Não deixa de ser curioso que em dois jogos de teste realizados em Alvalade, o VAR tenha revertido duas más (e graves) decisões dos auxiliares a prejudicar o Sporting. Ambos os casos eram lances de difícil análise em tempo real, mas de decisão bastante simples uma vez havendo recurso à tecnologia. Claro que o VAR não vai perder credibilidade caso as primeiras decisões acabem por anular benefícios ao Sporting (o que pode bem acontecer), mas pode-se dizer que ninguém em Alvalade terá ficado supreendido pelo sentido das decisões iniciais.

O facto de se ter que esperar 1 ou 2 minutos para a apreciação do VAR é um pormenor de importância reduzida quando comparado com as implicações que uma má decisão de arbitragem teria para o decurso da partida. De qualquer forma, é desejável e natural que o tempo de resposta diminua com o aumento de experiência das equipas de arbitragem.

Mas o que é realmente extraordinário é o nível dos argumentos dos especialistas das nossas televisões. Tem valido DE TUDO para descredibilizar o VAR, apesar das fortes evidências em contrário.

Uns dizem que o erro faz parte do futebol e que o VAR vai matar o jogo no espaço de 10 anos...


... usando todo e qualquer tema para mandar as bicadas ao novo sistema...


... e chegando ao ponto de comparar a análise dos golos pelo videoárbitro a coito interrompido.



Ainda assim, convém relembrar que 1 ou 2 minutos é aquilo que um jogador consegue perder ao simular uma lesão. Casos desses acontecem em demasia, e nunca causaram tanto melindre entre os especialistas das nossas televisões.

Para esta malta, não interessa que uma decisão do VAR seja mais rápida que uma assistência médica a um jogador que simula uma lesão para perder tempo. Para esta malta, parece que os adeptos nunca tiveram antes a desilusão de ver anulado um golo que festejaram ao ver a bola entrar na baliza. Para esta malta, a verdade desportiva parece ser um pormenor sem importância, o que se torna ainda mais extraordinário quando sabemos a qualidade das arbitragens que sempre houve por cá.

Para os Ribeiros Cristóvãos, para os Jorges Baptistas, para os Fernandos Guerras, para os Josés Nunes, e para tanta outra gente, nem sequer há lugar ao benefício da dúvida. É evidente a vontade que têm em abater o VAR... mas já todos perceberam aquilo que os move.


16 comentários :

  1. Já todos percebemos que a verdade incomoda, quais foram os mais prejudicados no passado e que anos a fio pedem a introdução do VAR. Já os outros, os beneficiados do erro, contratam uma horda de gente para contrariar o obvio: a verdade veio para ficar.

    ResponderEliminar
  2. São as dores de crescimento. Algum dia tinham que se fazer homenzinhos e está a custar-lhes um bocado. Mas passa. Com a gradual habituação às boas práticas da justiça e desportivismo e adesão à renúncia à batota o estado lampiânico definhará finalmente. É o início do fim do lamaçal. Mas até lá ainda vamos ver muita carnidagem a estrebuchar que nem garotos birrentos ... até tem a sua graça ...

    ResponderEliminar
  3. https://vimeo.com/218793369

    Aconselhando vivamente a visualização do clip supra tendo em conta a pertinência do tema e usando de um certo paralelismo, a introdução do hawk-eye, por exemplo, também não "matou" coisíssima nenhuma que eu saiba. O problema é que a introdução de inovações e novas tecnologias no desporto no geral e no futebol em particular sempre motivaram a renitência de certos velhos do Restelo e de outros que preferem que tudo se mantenha na mesma por razões óbvias...
    O apocalipse previsto pelos 3 estarolas então, meu Deus...

    ResponderEliminar
  4. Bastará uma vez -uma só!- em que o clube deles fuja da derrota graças a uma decisão do VAR e aí os vamos ter a correr para o fisioterapeuta, para tratar dum "mau jeito" na coluna, dado a fazer umas piruetas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora imagina perderem, e bem nesse caso, devido a uma decisão do VAR... a desonestidade intelectual, o contorcionismo na argumentação, o destilar de ódio e anti-desportivismo vai ser tanto... que só apetece é abatê-los a todos...

      Eliminar
  5. É uma chatice repor a verdade desportiva....melhor seria validar a trafulhice,a chico espertice,a corrupção ou mesmo os erros involuntários dos árbitros e seus assistentes !....

    ResponderEliminar
  6. Mestre,

    Por muito que os cartilheiros e paineleiros esperneiem, esta luta está ganha e só beneficia o futebol.

    Venha agora é próxima luta que passa exactamente pelo que referes no teu texto, contra a perda de tempo e paragens abusivas de jogo, algo que o Salgueiros da Luz tão bem tem feito nos últimos anos em Alvalade.

    Temos de defender regras similares às do futsal, com paragem do cronómetro sempre que a bola saia ou o arbitro interrompa o jogo.
    Isto obrigará as equipas merdosas a rever as suas tácticas quando defrontam equipas superiores e mais uma vez quem ganha é o futebol e quem assiste a este espectáculo.

    SL

    ResponderEliminar
  7. A minha teoria é que o grande entrave ao VAR é ele ter sido veementemente defendido pelo BdC.
    Ora, se o BdC é a favor de algo, toda a gente terá que fazer uma ginástica lógica para contrariar o argumento.

    Seja como for, há muita gente que se opõe categoricamente ao VAR. Estarão no seu direito, e talvez até tenham razão (seria 100% a favor, mas tenho por hábito colocar a hipótese de que possa estar errado).

    Mas há um teste ao VAR que ainda não foi feito, e que tenho um desejo schadenreudiano que se realize. Não um teste ao funcionamento do VAR em si, mas à reacção popular e mediática no dia em que o SLB tenha um golo decisivo mal validado/anulado a seu desfavor numa competição que NÃO utilize o VAR.
    Mais uma vez, poderei estar errado, mas a minha previsão é que nesse dia surgirão várias conversões ao VAR.

    ResponderEliminar
  8. O meu argumento favorito é o do golo que foi tão bonito que tinha que ser válido.
    Será que se lembram do golo do CR7 no amigável com a Espanha que foi anulado por fora-de-jogo do Nani?

    ResponderEliminar
  9. Que tristeza, ouvir estes adeptos da roubalheira, desde que beneficie o clube deles, mas estes cromos, ja nao enganam ninguem,inclusive, um tal ribeiro cristovao, que andou toda a vida a apregoar que era do sporting, finalmente nao passa de um adepto do clube dos vouchers, aldrabao e manipulador, quanto aos outros toda a gente sabe que sao encartilhados.

    ResponderEliminar
  10. O problema destes "coisos" é que eles sabem muito bem que com o VAR por exemplo, nunca a organização que eles defendem tinham competido na final da Taça a época passa, tinha lá ido o Estoril.
    Do mesmo modo que sabem bem que o treta nunca teria sido possivel.

    Isso é que os incomoda e muito !

    E sim, por este andar com tantos mails a esvoaçar, muito coito ai parar.
    200€ ou 400€ ?????

    ResponderEliminar
  11. Eu também estou em desacordo com a implementação do VAR. Porquê? Porque acabou com modalidades como o basquetebol, o ténis, o rugby e o ciclismo! Assim que estas modalidades passaram a ser mais justas e verdadeiras devido ao auxílio das novas tecnologias, os patrocínios acabaram e as pessoas afastaram-se em protesto.
    Em Portugal vai acontecer o mesmo, a retirada da emoção vai acabar com o futebol e para esta modalidade não desaparecer, estou a ponderar lançar uma petição para continuar a assegurar as simulações, as agressões, os foras de jogo escandalosos, os golos mal anulados, a impunidade na garantia de resultados pré-combinados e, acima de tudo, a conquista de títulos fraudulentos.
    O futebol sem vigarice está condenado e todos temos que contribuir para que a batota prevaleça face à verdade desportiva.

    Nota: Mestre, instalaste videovigilância anti-estado lampiânico no blogue ou terá sido cortada a avença aos cartilhados?

    ResponderEliminar
  12. Se ali estivesse um jornalista a serio em vez de uma mumia tinha feito a pergunta que se impunha a esses irmãos metralhas:

    "O que considera mais importante a espontaneidade do festejo do golo ou a verdade desportiva?"

    PS: Bem vindo de volta Mestre.

    ResponderEliminar
  13. Um gajo a ver estes "iluminados" a falar sente-se a entrar na Twilight Zone. É inacreditável os argumentos "janelares" que se vai usando para tentar descredibilizar o VAR antes mesmo de lhe darem hipótese de mostrar se resulta ou não, pois só com experimentação e prática é que podemos afirmar se o VAR vai trazer melhorias ou não. Mas tendo em conta apenas estes dois jogos, já deu para dissipar muitas dúvidas...

    ResponderEliminar
  14. O argumento que gosto mais é o tempo que se perde.

    Quando o golo do Dost foi validado contra a Fiorentina, perdeu-se menos de minuto e meio.

    Quanto tempo levamos à espera que o GR da equipa visitante bata um pontapé de baliza quando vem a Alvalade? Que a bola seja reposta em jogo num lançamento, que seja assistido um jogador que não necessita de o ser, ou que alguém seja substituído e vá a andar em passo de funeral para a lateral? Quanto tempo útil tem na realidade um jogo deste género?

    Quem gosta de desporto, está a favor. Perguntem a um adepto de râguebi, ténis ou basket se agora já não gostam do desporto porque evoluíram nesse sentido.

    Quem faz rendimento à conta da polémica, da má decisão do árbitro, do diz que disse e que mais, está contra.

    Fica fácil perceber o posicionamento de cada um.

    ResponderEliminar