quinta-feira, 15 de fevereiro de 2018

Bom proveito da carne colocada na grelha

Demasiada carne no assador. Foi assim que encarei o onze escolhido por Jorge Jesus para o jogo desta tarde contra o Astana. Não vejo a Liga Europa como uma prioridade, havia a questão do relvado sintético, e, para além disso, sendo uma eliminatória a duas mãos, podíamos perfeitamente gerir esta primeira parte - que antecede uma deslocação complicada a Tondela - para depois resolvermos na segunda - em nossa casa, num jogo que antecede uma receção teoricamente mais fácil ao Moreirense.

A meu ver, fazia mais sentido: poupar neste, carne toda no assador em Tondela, carne necessária no assador na segunda mão, e gerir o jogo do Moreirense em função do desgaste entretanto acumulado e os riscos de suspensão para a partida seguinte, no Dragão.

Não foi isto que Jesus decidiu, pelo que, ao menos, ficasse a eliminatória já resolvida ou bem encaminhada. Mas as coisas não começaram bem: de pouco serve pôr a carne toda no assador se o aparelho não estiver a ser operado com a temperatura adequada. A intensidade colocada na primeira parte esteve abaixo das exigências, e foi preciso algum tempo de adaptação ao terreno e ao adversário até o Sporting entrar no ritmo necessário para fazer valer a diferença de nível em relação ao adversário.




Dez minutos para matar - Acuña acordou de uma primeira parte apática, e juntou-se a Gelson e Bruno Fernandes na criação de desequilíbrios, conseguindo uma entrada arrasadora na segunda parte que se traduziu em três golos que mataram o jogo e deixaram a eliminatória na nossa mão.  

À terceira foi de vez - no espaço de quatro dias, Doumbia viu-lhe serem anulados dois golos limpos, o que é um golpe profundo num ponta-de-lança que está a seco há demasiado tempo. Felizmente à terceira foi de vez. Foi só encostar, e lá voltou a meter o seu nome na lista de marcadores. Merecia. Para além disso, esteve envolvido na jogada que deu origem ao penálti.

Magia de Acuña no segundo golo - é só isto.


O aniversariante - em dia de 30º aniversário, Rui Patrício merece uma referência, quanto mais não seja por causa da excelente intervenção a dois tempos que impediu o Astana de aumentar o resultado para 2-0.



A entrada no jogo - considerando a aposta num onze muito próximo do melhor que temos para apresentar, esperava-se muito mais da primeira parte do Sporting. O início de jogo foi demasiado mau, com o meio-campo a jogar com défice de agressividade e com a defesa à deriva. Sofrer um golo absurdo em que praticamente toda a equipa foi apanhada a dormir numa reposição de bola junto à área adversária é a melhor ilustração possível para o desleixo com que a equipa entrou em campo.

O golo anulado a Doumbia - decisão escandalosa do fiscal-de-linha, já . O futebol sem VAR parece cada vez mais uma aberração.

Bryan - Foi menos um na primeira parte, mas não foi o único. Mais confusão me fez a sua segunda parte: com mais espaço, voltou a demonstrar aquela exasperante aversão à baliza adversária. Pior do que o remate ao lado, foram as oportunidades em que pareceu fazer questão de não rematar.

Gestão dos amarelos - tínhamos quatro jogadores em risco de exclusão: Coentrão, Gelson, Acuña e Bruno Fernandes. Com o resultado em 3-1, a eliminatória estava suficientemente bem encaminhada para aproveitar para limpar esses amarelos na 2ª mão. No entanto, nem um jogador o fez. Esperava um pouco de mais atenção a este tipo de pormenores por parte da estrutura e da equipa técnica.



Não houve lesões e eliminatória muito bem encaminhada. Ou seja, tirou-se o devido proveito de toda a carne posta na grelha.

9 comentários :

  1. Forçar amarelos agora dá punição por parte da UEFA. Bem sei que há formas e formas mas sinceramente penso que neste momento é arriscado forçar.

    ResponderEliminar
  2. Sim, magia de Acuña. Amanhã, quantos milhões lhe vão dar nas capas? A SIC, para começar, já apagou do resumo o contributo do Acuña para o 2º golo.

    Quanto ao golo anulado: quem não anula um golo limpo ao Doumbia, não é bom chefe de família.

    ResponderEliminar
  3. Quando se põe toda a carne no assador, ela pode chegar à próxima refeição toda esturricada.
    E isto tudo frente ao todo poderoso e colossal Astana. Ainda se fosse em ciclismo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se fosse contra o Basileia podiamos ir jogar com os juniores... ridiculo tu!

      Eliminar
    2. Pelo menos não perdemos por 5 esta época na UEFA, coisa que o carnide o fez contra o colosso europeu de nome basileia e o porto contra o 3º classificado da liga inglesa, para mais em casa... Mete vaselina que isso passa, e para a azia tem muitas soluções disponíveis em farmácias, supermercados e lojas de conveniência.

      Eliminar
  4. Já nem vou falar dos escândalos recentes envolvendo o teu clube e presidente, mas como é possivel depois de "a pior prestação, de sempre, de uma equipa Portuguesa na champions", ZERO pontos feitos por uma equipa do pote 1, dos 5 ZERO do colosso Basileia e do melhor marcador da tua equipa ser o Guarda Redes.
    Tudo isto para te dizer que estás fora da Europa há meses.
    E ainda tens vontade e forças para falar de uma Equipa Portuguesa que ganhou um jogo numa eliminatória de Europa???
    Já não existem adjectivos ofensivos para de qualificar, pois já foram todos gastos.
    Resta-me ter a esperança de te encontrar um dia pessoalmente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que o Rudolfo quer é que lhe batam! Ele é um lampião profissional, vive dos posts que escreve.
      Como lhe pagam? Mistérios da porta-18...

      Eliminar
  5. Muito boa vitoria a deixar-nos com pe' e meio na proxima elimatoria. Na 2a volta podemos gerir o resultado com uma margem de conforto bem interessante.
    SPORTING!!
    (Podem sempre acontecer grandes reviravoltas, mas estamos a caminho de ser a unica equipa Portuguesa nas competicoes europeias. Ha' quantos anos nao acontecia?)

    ResponderEliminar